sábado, 19 de julho de 2014

Fic: O Poder de um Sonho - Capítulo 1

Eu estou muito sumido. Desculpe, pessoal!
Minhas aulas começaram e eu tenho que dividir minha atenção em várias coisas agora. Mas enfim, hoje não estou aqui para me desculpar, e sim para postar o primeiro capítulo da minha fic, que é inspirada em Os Instrumentos Mortais e em várias outras séries.

Let's go!


Capítulo 1 - O Sonho
Acordo totalmente apavorada. Sonhei que minha mãe havia morrido de uma forma chocante. E o pior: era eu quem a matava! Foi um sonho terrível. Espero nunca mais tê-lo. Chego na cozinha e me deparo com minha mãe sorridente preparando o café da manhã. Não tenho a mínima ideia de que horas são, por isso indago: - Mãe, que horas são? -Bom dia, querida! Agora são 12:42, se apresse para ir pra escola, Mia! - Tudo bem, tudo bem, senhora Carter. ----------------''-----------------''----------------- Chego na escola um pouco mais relaxada, mas ainda me lembrando daquele terrível pesadelo. Era tudo tão real. Os rapazes que me prendiam, minha mãe estirada no chão... Não gosto nem de lembrar. Hoje nós temos a minha aula preferida: a aula de Ciências, com o Sr. White. Eu gosto desse professor pela capacidade de lidar com os alunos problemáticos. O caso mais magnífico foi com uma aluna que engravidou aos quinze anos de idade: Todo dia, a Sasha, pedia para se retirar da sala. Dizia que estava com fortes dores de cabeça e com ânsia de vômito. Todos suspeitávamos que havia algo a mais nessa história, e estávamos certos. Sasha desmaiou em plena sala de aula, e o Sr. White a levou à enfermaria da escola. A enfermeira, SRA. Maria, reanimou-a e pediu que fosse à um médico urgente. Ela foi, e a suspeita de todo mundo se concretizou. Sasha estava gravida de um aluno do terceiro ano do ensino médio, dois anos mais velho que ela. O professor de Ciências mandou trabalhos relativamente simples para ela, já que foi preciso ''tirar uma folga'' da escola, para que o bebê nascesse saudável. Ele até aumentou as notas suas notas, e pediu para que os outros professores fizessem o mesmo. O Sr. White realmente é mais que um professor, é um amigo. ------------''------------------''------------------ A escola termina até que rápido hoje, ainda bem. Meus pensamentos não se direcionam à outra coisa a não ser aquele sonho. Ainda não consigo entendê-lo. Por que minha mãe foi algemada por mim? Por que dois homens desconhecidos me levaram para um lugar também desconhecido? Por que eu matei minha mãe? Geralmente eu só sonho com coisas felizes, como com o meu falecido pai. Ele se chamava Marcos. Era um grande policial, um dos melhores. Saiu de casa logo cedo, já que não sentia mais amor pela minha mãe. Eu tinha apenas dois anos naquela época. Um ano afastado de nós, meu pai morreu num acidente de helicóptero. Estava com mais dois colegas de profissão, apenas um sobreviveu. Foi um terrível acidente. -----------''------------------------''---------------------- O dia todo passa rápido, como se alguém tivesse adiantado o relógio primordial. Passo a tarde toda assistindo tv, esperando minha mãe chegar do trabalho. Nós moramos num apartamento pequeno, mas aconchegante. Ele foi uma das poucas coisas que minha mãe conseguiu comprar com o dinheiro que recebeu pela morte do meu pai. Não somos muito pobres, mas estamos numa fase bem crítica. Nunca fui de pedir coisas para a minha mãe, porque sei que ela não dará. Nunca foi de ''puxar o meu saco''. Eu não a considero uma mãe má, mas, como todos, elas tem defeitos. Minha mãe chega cedo hoje. Estranho...Ela costuma chegar em torno das dez horas, mas agora são apenas sete e quarenta. Decido perguntar o que aconteceu: - Mãe, por que a senhora chegou tão cedo assim? - E o que há de errado? O que você pretendia fazer nessas suas horas vagas? Trazer um garoto para transar, igual aquela sua amiga... a Sasha? - diz ela, num tom raivoso e agressivo. Eu fico assustada, pois nunca vi minha a mulher que meu a luz daquele jeito. Não digo mais nada, o silêncio as vezes é a coisa mais sábia a ser dita. Deito-me assim que acabo a minha oração. Sou muito convicta que existe um Deus poderoso que nos proteja e nos guarde. Hoje peço para ele que abençoe meus sonhos e minha mãe. Adormeço mais rápido do que o de costume. Qual é a do tempo hoje? De novo aquele sonho: Tudo começa tão rápido, a morte da minha mãe, os homens me prendendo, me levando para um lugar escuro e fedido... Mas algo mudou: eu pude ver o rosto de um deles, e percebi que era o amigo sobrevivente ao desastre do helicóptero do meu pai. Levanto totalmente sem fôlego.

Nenhum comentário:

Postar um comentário