domingo, 27 de julho de 2014

Resenha - Convergente (Divergente #3) - Veronica Roth

''... Prefiro acreditar que, se forem persistentes, até pequenas gotas d'água , com o tempo, podem mudar uma pedra para sempre. E a pedra nunca voltará ao que era.'' - Zoe, pg. 152.

Atenção: Este post poderá ter spoiler DOS OUTROS LIVROS da série. Quem ainda não leu Divergente ou Insurgente, se retire agora!



Onde está a Tris e o Tobias que eu conheço?

A sociedade baseada nas facções está totalmente devastada. A Chicago que Tris conhecia agora é dominada por ninguém mais que Evelyn, a mãe de Tobias e líder dos sem facção.
Com Jeanine morta, o novo governo está condenando as pessoas que se aliaram com ela. Tris, Caleb, Christina, esses são os nomes das pessoas que receberão algum tipo de castigo.

Cansada de se impôr às regras dos sem facção, Tris decide que está na hora de explorar novas fronteiras. Ela e vários outros acompanhantes vão para um lugar chamado Departamento.

Segredos preciosos são descobertos, tais como: a importância da família de Tris e de Tobias; o passado corrupto dos governantes e o quê são de fato os Divergentes.

O mundo além de Chicago é mais explorado. Novas personagens com sede de revolução entram para a história, o que anima e enriquece cada vez mais a narrativa.

O drama é o principal foco do livro. Tris está totalmente desolada, desamparada, estressada, com dúvida de tudo e de todos. Mas uma coisa ela não perdeu: sua coragem!

Há uma novidade em Convergente: o livro também é narrado por Tobias!

Acho que a maioria dos fãs da série acharam que a história ficaria mais emocionante, mas estávamos enganados. Tobias é mais chato do que a Tris.

Sério, cadê aquele personagem que fez as meninas delirarem? Cadê aquele cara que serviu de inspiração para muitos outros rapazes?
Parece que foi para a China...

Eu me pergunto qual é o problema de tantos autores que começam uma história de uma forma cativante, interessante, harmoniosa, etc., mas a terminam totalmente sem lógica, sem sentido.

A Veronica mudou totalmente a história de cada livro. Ela quis impressionar, quis mostrar como era o governo antigamente, como as pessoas eram tratadas... Mas não colou.

Nas primeiras 300 páginas o livro não me agradou. Demorei umas 3 semanas pra chegar na página 400, mas a partir daí o ritmo começou a ficar mais rápido e bem mais interessante.

Muitos reclamam do final. Eu gostei. Gostei do que aconteceu, mas não gostei de como aconteceu.

Enfim, a série Divergente começa boa, mas termina totalmente desagradável.
É uma leitura interessante, podendo ser comparada até à Jogos Vorazes e à A Seleção, mas que pode ser deixada de lado. Priorize 50 Tons de Cinza e não Divergente...

Editora: Rocco
Páginas: 526
Nota: 3/5


4 comentários:

  1. Concordo com o que você falou... os autores começam o livro com surpresas e tal, ai chega no segundo nem sempre é o que a gente espera... isso aconteceu comigo em relação a saga Os Imortais, comprei os dois primeiros livros, os outros desisti! Isso é muito chato. Adorei a resenha <33

    Ana,
    http://contos-de-duas-doidas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Obrigado ^^ Odeio esse tipo de coisa nos autores.
    Eu quero ler muito Os Imortais, mas vejo muitas críticas negativas em relação à série...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Quero muito ler este livro !
    Gostei bastante da ressenha !
    http://nuvensdelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Obigado!
    Visitei seu blog. É perfeito!
    Beijos

    ResponderExcluir